Tancredo Neves

Sigla: TN

Dados Biográficos

Titular: Tancredo de Almeida Neves

Filiação: Francisco de Paula Neves e Antônia de Almeida Neves

Nascimento: 4/3/1910, São João del Rei, MINAS GERAIS, Brasil

Cônjuge: Risoleta Neves

Falecimento: 21/4/1985, São Paulo, SAO PAULO, Brasil

Formação Acadêmica

  • Ensino Superior (graduação), Direito, Faculdade de Direito, Minas Gerais, 1932

Principais Atividades

  • Vereador, Partido Progressista1935,1937
  • Deputado estadual, Partido Social Democrático1947,1950
  • Deputado federal, Partido Social Democrático1950,1953
  • Ministro de Estado, Ministério da Justiça1953,1954
  • Deputado federal, Partido Social Democrático1954,1955
  • Presidente, Carteira de Redescontos do Banco do Brasil1956,1958
  • Secretário estadual, Secretaria de Finanças de Minas Gerais1958,1960
  • Presidente, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social1960,1960
  • Primeiro-ministro, Governo Parlamentar1961,1962
  • Deputado federal, Partido Social Democrático1962,1966
  • Deputado federal, Partido Social Democrático1963,1965
  • Deputado federal, Movimento Democrático Brasileiro1966,1978
  • Senador, Movimento Democrático Brasileiro1979,1983
  • Governador, Governo do estado de Minas Gerais1983,1984
  • Presidente da República, Presidência da República1985,1985

Outras Atividades

Em 1945, se filia ao novo Partido Social Democrático (PSD) e participa da vitoriosa campanha de Eurico Dutra à presidência da República; assume a diretoria do Banco de Crédito Rural de Minas Gerais (1955); AI-2 dissolução dos partidos (27/10/1965), Tancredo ingressa no bloco parlamentar oposicionista e depois ingressa no Movimento Democrático Brasileiro (MDB); reeleito deputado federal pelo MDB (15/11/1966); reeleito nas eleições de 1970 e 1974; vice-presidente nacional do MDB (21/11/1965); líder da bancada do MDB (março de 1978). Com o fim do bi-partidarismo (novembro de 1979), Tancredo ingressa no Partido Popular (dezembro/1979); eleito presidente do Partido Popular em 7/07/1981; com a fusão do PP com o MDB cria-se o PMDB e Tancredo Neves é eleito vice-presidente nacional do PMDB (14/02/1982); eleito presidente da República (5/01/1985) através do Colégio Eleitoral. Em 14 de março de 1985 é internado no Hospital de Base de Brasília, véspera de sua posse e em 21 de abril de 1985 morre no Hospital do Coração, em São Paulo.

Documentos Textuais

  • Manuscritos - 8942

Documentos Impressos

  • Livros - 56
  • Capítulos de Livros - 1
  • Periódicos - 54
  • Exemplares de Periódicos - 86
  • Artigos de Periódicos - 45

Documentos Audiovisuais


  • Iconografia
    • álbum fotográfico - 87
    • caricatura - 38
    • foto - 4222
    • imagem impressa - 1013
    • negativo - 223
  • Imagens em movimento
    • filme - 3
    • vídeo - 85
  • Som
    • fita - 132

Análise da Documentação

DOCUMENTOS TEXTUAIS: o arquivo está organizado em 11 séries. O arranjo combinou séries formadas a partir de diferentes critérios: por tipo de documentos, funcional e temática. A série DOCUMENTOS PESSOAIS (dp) inclui diplomas, títulos, condecorações, certidão de casametno e o atestado de óbito do titular. A série ASSUNTOS DIVERSOS (ad) compreende 12 dossiês, num total de 96 documentos. Dentre os dossiês, podemos destacar o que reúne material sobre o inquérito instaurado por ocasião do atentado a Carlos Lacerda, em 1954; o material publicitário da campanha de Tancredo Neves ao governo de Minas Gerais, em 1960 e as cartas de Juscelino Kubitschek, escritas do exílio, a Tancredo Neves. A série PRIMEIRO MINISTRO (m) encontra-se dividida em 4 dossiês, totalizando 177 documentos, referentes ao período em que Tancredo ocupou a presidência do Conselho de Ministros, durante o regime parlamentarista, assim ordenados: documentos da esfera política, dirigidos aos gabinetes do primeiro ministro e do presidente da República, em sua maioria pedidos de cargos feitos por políticos; as nomeações feitas para vários cargos; prestação de contas de alguns ministérios e correspondência enviada ao gabinete de Tancredo Neves contendo pedidos e convites, vinda do povo. Na série DEPUTADO FEDERAL (df) encontram-se os dossiês referentes à atuação de Tancredo na Câmara dos Deputados, em especial na Comissão de Economia, Indústria e Comércio, onde atuou como relator; os mapas de apuração das eleições de 1966, 1970 e 1974; pedidos de eleitores e as articulações políticas do deputado federal. A série SENADOR (s) é constituída de apenas um dossiê, cujos documentos abrangem a candidatura e o mandato de Tancredo Neves no Senado Federal. A série GOVERNO DE MINAS GERAIS (gov. MG) abrange as eleições de 1982, o período em que Tancredo esteve à frente do executivo de seu estado e alguns documentos datados após sua saída. Os cinco dossiês estão divididos da seguinte maneira: relação do governo do estado com as dioceses de Minas Gerais; relações do governo de Minas Gerais com outros estados da União; atuação das secretarias de estado; documentos do gabinete militar sobre o controle de todos os eventos do governador e documentos diversos do governo de Minas Gerais após a saída de Tancredo Neves. Na série CAMPANHA PRESIDENCIAL (cp) os documentos foram agrupados em oito dossiês. Dentre estes, podemos destacar os seguintes: documentos contendo reivindicações de entidades ou grupos de interesse; documentos que subsidiam os estudos para a elaboração da plataforma de governo e documentos sobre a organização da campanha. A série PRESIDENTE ELEITO (pe) está dividida em 10 dossiês, totalizando 268 documentos. Abrange o período após a sua eleição no Colégio Eleitoral, no dia 15/01/1985 e vai até as vésperas de sua internação. Inclui documentos que reúnem pedidos financeiros e não financeiros, convites ao presidente eleito, indicações para cargos e reivindicações de entidades de classe. Na série DOENÇA (d) estão contidos os documentos referentes ao período em que Tancredo esteve internado no Hospital de Base, em Brasília e no Hospital das Clínicas, em São Paulo, até antes de sua morte. A grande maioria dos 4433 documentos são cartas da população enviando votos de pronto restabelecimento. A série POST MORTEM (pm) reúne os documentos enviados à esposa de Tancredo Neves, D. Risoleta Neves, após a morte do presidente eleito. Assim como a série Doença, a maior parte dos 3059 documentos é de manifestações populares, incluindo um dossiê só com poemas e literatura de cordel feitos pela população em geral. Na série PRODUÇÃO INTELECTUAL (pi) estão reunidos discursos, textos e estudos de diversos autores. Além do próprio Tancredo Neves, podemos encontrar outros nomes de destaque no cenário nacional, dentre eles Ulysses Guimarães, Fernando Henrique Cardoso, Humberto Castelo Branco, João Baptista Figueiredo, Ernesto Geisel, João Goulart e José Sarney.