João Goulart

Sigla: JG

Dados Biográficos

Titular: João Belchior Marques Goulart

Filiação: Vicente Rodrigues Goulart e Vicentina Marques Goulart

Nascimento: 1/3/1919, São Borja, RIO GRANDE DO SUL, Brasil

Cônjuge: Maria Teresa Fontela Goulart

Formação Acadêmica

  • Ensino Superior (graduação), Direito, Faculdade de Direito, Porto Alegre (RS), 1939

Principais Atividades

  • Deputado estadual, Partido Trabalhista Brasileiro1946,1950
  • Deputado federal, Partido Trabalhista Brasileiro1951,1951
  • Secretário estadual, Secretaria do Interior e Justiça do Rio Grande do Sul1951,1952
  • Deputado federal, Partido Trabalhista Brasileiro1952,1953
  • Presidente, Partido Trabalhista Brasileiro1952,1964
  • Ministro de Estado, Ministério do Trabalho1953,1954
  • Deputado federal, Partido Trabalhista Brasileiro1954,1954
  • Presidente, Senado Federal1956,1961
  • Vice-presidente da República, Presidência da República1956,1961
  • Chefe de delegação, Conferência Internacional do Trabalho1958,
  • Chefe de delegação, Conferência da Organização Internacional do Trabalho1960,1960
  • Presidente da República, Presidência da República1961,1964
  • Vice-presidente da República, Presidência da República1961,1961

Outras Atividades

Co-proprietário do jornal "Uruguai", de São Borja (RS); presidente do diretório do PTB, em São Borja (1946); presidente do diretório e da comissão executiva estaduais do PTB-RS (1950-1954); um dos articuladores da candidatura de Getúlio Vargas à presidência da República (1950); membro da delegação econômica enviada ao Leste europeu e ao Oriente, inclusive à República Popular da China (1961); um dos articuladores da Frente Ampla (1966); com o fim dessa Frente (1967), dedica-se à administração de suas propriedades localizadas no Uruguai, Paraguai, Argentina e Brasil.

Documentos Textuais

  • Manuscritos - 567

Documentos Impressos

  • Livros - 8
  • Periódicos - 7
  • Exemplares de Periódicos - 8
  • Artigos de Periódicos - 8

Documentos Audiovisuais


  • Iconografia
    • foto - 136

Histórico

Com o exílio do ex-presidente João Goulart, seu arquivo pessoal foi disperso entre alguns antigos colaboradores, entre os quais Hugo de Faria e Raul Riff. Em 1989, durante a realização do Guia de Acervos Privados dos Presidentes da República, o Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil -CPDOC, da Fundação Getulio Vargas, entrou em contato com Raul Riff, com os filhos do ex-presidente João Goulart, e com o Prof. Luiz Alberto Muniz Bandeira, que afirma ter recebido por intermédio de Hugo de Farias, parte da documentação para elaboração do seu livro O governo Goulart.
Os documentos que se encontravam sob a guarda de Raul Riff foram doados ao CPDOC, após a sua morte, por sua esposa, Beatriz Riff, no dia 28 de Junho de 1990. Esses documentos estão organizados e foram liberados à consulta no final de 2002. E, finalmente, os documentos que ficaram com o Prof. Muniz Bandeira, foram encaminhados ao CPDOC em março de 2003 e incorporados ao restante do acervo, estando igualmente disponível para consulta.
Comenta-se ainda sobre a existência de um baú, contendo documentos, sobretudo das propriedades do titular, que teria sido visto por Muniz Bandeira durante uma visita ao ex-presidente Goulart, em uma das suas fazendas, no Uruguai. Segundo João Vicente, filho do ex-presidente, esse baú teria desaparecido.

Análise da Documentação

DOCUMENTOS TEXTUAIS: os documentos foram organizados em nove séries: DOCUMENTOS PESSOAIS; PRESIDENTE DO DIRETÓRIO DO PTB/RS; PRESIDENTE DO PTB; MINISTRO DO TRABALHO; VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA; PRESIDENTE DA REPÚBLICA; EXÍLIO; POST-MORTEM e RECORTES DE JORNAIS. Apesar de cobrir quase todas as principais funções públicas do titular, a documentação concentra-se no período em que João Goulart esteve exilado, no Uruguai, após ter sido deposto da Presidência da República pelo golpe militar, em 1964. As articulações das lideranças políticas de oposição ao regime, visando à constituição da Frente Ampla (1966-1968), constituem tema privilegiado na série Exílio. Em contrapartida, sua passagem pelo Ministério do Trabalho, Vice-Presidência e Presidência da República encontra-se escassamente documentada, merecendo, contudo, destaque os documentos sobre a greve dos marítimos em 1953 (série Ministério do Trabalho) e a documentação referente à conjuntura política do país, particularmente o projeto de desapropriação de terra, visando à reforma agrária durante sua gestão na Presidência da República, entre setembro de 1961 e março de 1964 (série Presidência da República). DOCUMENTOS AUDIOVISUAIS: as fotografias apresentam registros sobre sua atuação como presidente da República, destacando-se ainda seus encontros com personalidades nacionais e internacionais e manifestações sindicais ocorridas em seu apoio. Há também registros sobre o período em que exerceu a Vice-Presidência da República e dois retratos do exílio no Uruguai. Período abrangido: 1951-1976. DOCUMENTOS IMPRESSOS: o material impresso diz respeito à Presidência da República, ao período de exílio no Uruguai e à vida pessoal. Período abrangido: 1961-1983.